Quando buscamos desenvolver liderança organizacional, obviamente precisamos entender como fazer isso. O que também significa entender suas características. O problema é que muita gente estaciona nessa etapa, ou pior, após evidenciar essas características começa um autojulgamento. É, justamente, a ação para desenvolver essas características e dar os primeiros passos, que reforça a autoconfiança e motivação tão necessárias para um líder.

Confira o vídeo abaixo ou, se preferir, continue a leitura!

Recentemente, pesquisando sobre as mudanças rápidas que estão acontecendo na liderança dentro das empresas eu encontrei uma pesquisa (clique p/ ver) indicando que, em 2020, 48% os líderes serão millenials (também conhecidos como Geração Y). Praticamente metade da liderança nas organizações. Atualmente, 67% destes millenials estão procurando por novos empregos e 91% já adianta que não pretendem ficar no mesmo local por mais de 3 anos. Paralelamente, 83% das empresas admite necessitar desenvolver a liderança em todos os seus níveis, mas apenas 5% destas empresas implementou um planejamento para isso.

A dinâmica atual do mercado exige cada vez mais velocidade e efetividade na preparação de
líderes.

Confira algumas das principais competências que devem ser observadas e, estrategicamente,
desenvolvidas na liderança organizacional:

Ser influenciador
Líderes são influenciadores e inspiradores. As pessoas esperam que você tenha atitudes de liderança e isso acontecerá nos diversos ambientes onde você se encontrar. Você precisa saber como influenciar sua esposa, esposo ou filhos para o passeio do final de semana, a escolha do cardápio, as decisões de compras ou o destino das férias. Dentro das organizações você precisa saber como influenciar para “vender” uma ideia, mudar processos, gerar novos comportamentos ou aumentar a produtividade. Para isso precisa conhecer as pessoas, compreender como pensam e sentem, entender suas necessidades e valores; e assim, liderar com empatia.

Ser comunicativo
Isso não significa que você necessite ser extrovertido. Na verdade, pesquisas mostram que 40% dos executivos são introvertidos. A questão é conhecer-se e desenvolver a forma certa para ser comunicativo. Por exemplo, um líder introvertido, se sentindo desconfortável diante de muitas pessoas, pode usar uma abordagem mais individualizada e assim, manter-se próximo das pessoas, aberto à comunicação, bem como, conhecer melhor sua equipe; sem precisar encarar uma apresentação diante de todos diariamente.

Resiliência
Mesmo sendo influenciador e comunicativo você perceberá que nem sempre tudo acontece conforme planejamos. Ideias não são compreendidas, recebemos um belo “não” para uma excelente oportunidade, acontecimentos internos ou externos inviabilizam nossos projetos e, no meio de tudo isso, é preciso ser flexível e resiliente. Você não pode parar diante dessas situações, precisa seguir adiante. Particularmente, um pensamento que me auxilia é: “O que outros veem como problemas, veja como desafios e oportunidades!”

Auto responsabilidade
Uma pergunta que sempre faço para meus clientes é “Quem pode fazer isso acontecer?”. Essa pergunta une alguns conceitos importantes na minha opinião. O primeiro é o de auto responsabilidade, ou seja, não importa o que a vida faz com você, mas sim o que você faz com o que a vida faz com você. Traga para o seu colo e resolva, tenha um autêntico desejo de resolver problemas e rejeite – a todo custo – a tentação de achar culpados. Quem quer realmente, acha um meio e não uma desculpa. Outro conceito está ligado à frase que mencionei anteriormente, enxergue oportunidades e não problemas, trabalhe isso em sua mente. Pesquisas em universidades americanas comprovaram que nada é melhor para o nosso cérebro que novidades e desafios então, eduque sua mente para enxergar problemas como oportunidades e desafios e tenha prazer em resolvê-los. Por fim, tenha o timming certo para isso, quero dizer, busque pela solução, pense antes de falar e ouça antes mesmo de pensar em falar. Ao conversar com as pessoas o seu foco tem que estar no que está sendo dito e não no que você pretende dizer.

Por mais que você já conheça alguns desses conceitos, até mesmo considere muitos como clichês, compreenda a verdade, o poder e a eficácia deles!

E então? Como você se sente diante de cada característica mencionada acima? O quanto você precisa e deseja desenvolvê-las?

Projete-se adiante. Pense em como estará a sua vida e sua organização em 1 ano se você NÃO der os passos certos para desenvolver essas competências e, consequentemente, as demais lideranças sob sua responsabilidade fizerem o mesmo. Pare por 10 segundos e pense nisso.

Ok, agora faça uma projeção semelhante, de 1 ano, mas agora imaginando que deu os passos certos, buscou as pessoas e recursos necessários para desenvolver essas competências e, consequentemente, as pessoas sob sua liderança foram influenciadas, elas foram inspiradas a fazer o mesmo. Qual a sensação? Como será o seu dia a dia? Vale a pena se permitir 10 segundos (no mínimo) pensando nisso.

Tenha clareza do que necessita desenvolver e dos impactos dentro da organização. A velocidade do mercado atual exige termos presença para essas necessidades a cada segundo. Isso libertará você de uma postura reativa e vai direcioná-lo para gerenciar e inspirar os que estiverem ao seu redor (dentro e fora da sua organização).

Lidere! Impacte propositalmente e positivamente as pessoas ao seu redor! Inspire a forma como pensam, agem e gerenciam suas vidas!

Ainda ficou com alguma dúvida? Não se preocupe! Faça contato conosco e terei imenso prazer em ajudar você a identificar qual a melhor forma de resolver essa situação.

Gostou? Fez sentido para você ou lembrou de alguém que pode se beneficiar com esse conteúdo? Então compartilhe! Marque o nome de alguém aqui ou compartilhe diretamente na sua rede social preferida. Mas vamos espalhar o bem, impactar propositalmente e positivamente a vida das pessoas!

Eu desejo a você muito sucesso!

 


Leandro Passos
Leandro Passos

Sou casado há quase duas décadas com Sueli, um sonho de esposa, e pai do Felipe, um menino maravilhoso. Aprendi algumas das coisas mais importantes com duas pessoas: Primeiro com meu pai, que me ensinou a trabalhar muito e a aprender o máximo que puder (comecei a trabalhar com ele quando eu tinha 13 anos). A segunda pessoa foi minha esposa, que me ensinou a me valorizar e valorizar o que sei fazer. Graças a Deus, que tanto agiu através deles e de mim, cresci muito! Durante minha carreira, com uma trajetória de desenvolvedor, gestor de T.I., coordenador de equipes de desenvolvimento e consultor em grandes empresas nacionais e multinacionais, eu sempre busquei técnicas de produtividade e gestão de tempo. Algumas funcionavam, muitas não! Passei por dificuldades, entre elas, um susto enorme de carro (dormi no volante porque trabalhava demais), falta de tempo para meu filho, angústia por não ter tempo para o que era importante para mim. Até que conheci o Coaching e me apaixonei! Quando uni tudo o que eu havia pesquisado (e ainda pesquiso) com as técnicas de Coaching, finalmente, consegui achar o caminho das pedras. Nessa época eu acordava 4h40 e só chegava em casa às 21h; e, sem mudar essa rotina, conseguia atender 5 clientes após o trabalho que exercia até então, e ainda tinha mais tempo para minha família, minha fé e para mim mesmo. Mapeava meus passos, afinal, eu não queria somente chegar lá, eu queria entender como era o caminho para poder replicar o sucesso. E consegui! Hoje refaço o mapa com meus clientes e vivo a alegria tremenda de vê-los sair do túnel escuro e angustiante da falta de tempo para a satisfação de dizerem que são donos do seu tempo! Ao final do dia realizaram o que planejaram e seguem na direção dos seus objetivos. Sou imensamente grato a Deus por esta oportunidade que se iniciou com a orientação de um grande amigo, também Coach, e pela formação contínua que busco. Experimento, a cada dia, a incrível oportunidade de ajudar pessoas a alcançarem seus objetivos e se transformarem em alguém melhor durante esta jornada! Propagar o bem é bom demais!