O Dia das Crianças é uma data tradicional de consumo no Brasil – no calendário do comércio, só perde para o Natal em termos de vendas. Este ano, propomos o exercício de “remar contra a maré”, repensando a obrigatoriedade de comprar algo para seu filho no 12 de outubro. Alterar essa lógica tão forte em nossa cultura certamente dá trabalho e gasta energia, mas pode ser recompensador.

Organizações como o Instituto Alana e o Movimento Infância Livre de Consumismo (Milc) discutem essa questão há anos, e aos poucos ela vem ganhando corpo em grupos de maternidade consciente. No site do Milc, há uma reflexão interessante para este Dia das Crianças:

“Raramente vemos um produto – para criança ou para adulto – que venda um atributo material: a publicidade atual vende atributos intangíveis, valores que muitas vezes correspondem às nossas lacunas pessoais. Então num anúncio de trem elétrico veremos a diversão da família sentada vivenciada no tapete da sala ao redor do brinquedo. E é isso que a criança quer: a diversão em família e não, necessariamente, o objeto anunciado. O que está mais acessível? A vivência-brincadeira em família no chão da sala ou o objeto-brinquedo caro na prateleira da loja? Do que é mais fácil dispor? Tempo ou dinheiro?”
Pensando nisso, sugerimos um 12 de outubro diferente: fora das lojas de brinquedos do shopping e das lanchonetes de fast-food que vendem comida de má qualidade associada à diversão, um dia de investimento não em coisas caras e que ficam rapidamente obsoletas, mas em vivências carregadas de afeto e diversão em família, que vão proporcionar lembranças memoráveis.

Veja a lista de programas que preparamos para um Dia das Crianças sem consumismo:

– Tarde no parque com piquenique
Com bicicletas, bola e um lanche gostoso, a diversão está garantida.

– City tour na cidade
As crianças vão adorar ter um dia de turista na própria cidade, conhecendo lugares diferentes e interessantes.

– Passeio cultural
No Dia das Crianças, museus e teatros costumam ter programação especial para a garotada, é uma boa oportunidade para estimular os pequenos a apreciar a arte desde cedo.

– Dia diferente em casa
Cozinhar o almoço juntos, assistir a um filme divertido e depois jogar jogos de tabuleiro pode ser muito legal.

Desejamos que essas sugestões estimulem sua família a ter um Dia das Crianças com tempo para estar juntos, do jeito que for mais a cara de vocês. Afinal, na rotina corrida que vivemos, tempo de qualidade é o maior presente que podemos dar a quem amamos.

Fonte:
“Dia das Crianças sem consumismo. É de pequeno que se aprende”. Disponível em: https://milc.net.br/2013/10/dia-das-criancas-sem-consumismo/#.XZ4sIOhKjIU

                      

Marcia Belmiro
Marcia Belmiro

Fundadora e diretora técnica da Rio Coaching. Graduação em Psicologia, Especialização em Recursos Humanos pelo IBRAE – FGV, Personal Life Coaching e Executive Coaching, Master Coach pelo Behavioral Coaching Institute. Certificação nos instrumentos de Assessments DISC, PEAKS, SOAR e Birkman, Certificação em Alfa Assessement Coaching pela Worth Ethic Corporation, MBA em Coaching e Pós graduação em Neurociências pelo IPUB – UFRJ, Formação em Biodança, Sociopsicomotricidade, Teoria Cognitivo-Comportamental e Constelação Familiar. Atuando há 38 anos nas áreas de Educação, Clínica Psicológica, Recursos Humanos e Coaching, formou mais de 3.000 coaches no Brasil e desenvolveu mais de 10.000 líderes. Sólida experiência como Coach de executivos e Mentora de coaches. Mais de 12.000 horas na criação e aplicação de workshops, palestras, cursos de desenvolvimento de líderes, programas motivacionais e transformacionais. Co-autora dos livros “A Bíblia do Coaching” e “O Máximo do Mínimo”. Autora e Coordenadora técnica do livro “Empoderar para Transformar”. Criadora do Método KidCoaching® para crianças e Co-criadora do Método GrowCoaching® para adolescentes.