“Já chegou?” Essa frase, entoada infinitamente, como um mantra, é o terror dos pais de férias. Mas calma, existe solução – e não vem num iPad! Que tal aproveitar a viagem em família para se divertir, entreter crianças e adultos, estreitar laços e criar memórias afetivas inesquecíveis? Confira aqui nossa seleção de brincadeiras para fazer no carro com seus filhos:

Quem sou eu?

A cada rodada, alguém escolhe um personagem de filme ou pessoa conhecida por todos (avós, tios, primos). Os participantes fazem perguntas, que só podem ser respondidas com “sim” ou “não”. Quem descobrir deve pensar no personagem seguinte!

Quem será que está aqui?

Essa atividade é ótima para crianças menores. Basta pegar alguns brinquedinhos pequenos – carrinhos, boneca, bichinhos etc. – e embrulhar todos com papel alumínio. Então, é só colocar em uma sacolinha e levar no carro. A brincadeira é pedir para a criança adivinhar qual é o brinquedo só pelo tato. Vale apertar, chacoalhar, pedir dicas, só não pode desembrulhar o brinquedo antes de acertar. Essa brincadeira distrai os pequenos e o tempo passa mais rápido no trânsito.

Sortear e desenhar

Essa brincadeira é um convite para a diversão! E pode ser feita no carro mesmo, basta que antes você escreva em papeizinhos nomes de animais, objetos ou qualquer outra coisa que quiser e deixar em um saquinho. No carro, leve também papel e lápis de cor. A ideia é que a criança sorteie um papelzinho e faça o desenho do que você escreveu.
Para incrementar a brincadeira você também pode separar os papéis em dois grupos: num saquinho, objetos ou animais, no outro, nomes de lugares. A criança pega um papelzinho de cada grupo e tem que unir os dois itens em um único desenho. Que tal fazer um cachorrinho na lua, ou uma xícara na praia?

Uma lista de compras

Neste jogo os jogadores fazem uma lista de produtos para comprar no supermercado, obedecendo à ordem alfabética. Por exemplo: o primeiro diz: “Eu vou ao supermercado comprar amaciante”. O seguinte jogador diz: “Eu vou ao supermercado comprar amaciante e biscoito”. E o seguinte: “Eu vou ao supermercado comprar amaciante, biscoito e canela…” E assim por diante.

Acertando em cheio

O jogador olha a paisagem e escolhe um elemento em silêncio. Para que o jogo comece ele deve dizer apenas uma característica deste elemento, para que os outros possam adivinhar o que é. Por exemplo: “Eu vi uma coisa, e era verde…” Então os outros jogadores têm, cada um, uma chance de acertar o que é. Caso não acertem, o primeiro jogador deve acrescentar mais uma característica: “Eu vi uma coisa, e era verde e alta…”, até que os outros participantes acertem em cheio.

Mala de viagem

O primeiro jogador diz: “Vou fazer uma viagem e levar um casaco.” O próximo jogador tem de continuar a frase, acrescentando um objeto cujo nome comece com a última letra da última palavra que o jogador anterior falou. Por exemplo: “Vou fazer uma viagem e levar um casaco e óculos.” O jogo segue até alguém não conseguir achar a palavra certa.

Era uma vez…

A ideia é construir uma história em conjunto. A primeira pessoa diz: “Era uma vez…” e completa: “… um leão”. Em sentido horário, cada participante fala uma frase, que deve se encadear com o que foi dito anteriormente. As histórias que surgem daí rendem muitas gargalhadas para todos.

Fontes:

E-book “Atividades divertidas”, integrante do programa de formação Kids Coaching
www.tempojunto.com

                      

Marcia Belmiro
Marcia Belmiro

Fundadora e diretora técnica da Rio Coaching. Graduação em Psicologia, Especialização em Recursos Humanos pelo IBRAE – FGV, Personal Life Coaching e Executive Coaching, Master Coach pelo Behavioral Coaching Institute. Certificação nos instrumentos de Assessments DISC, PEAKS, SOAR e Birkman, Certificação em Alfa Assessement Coaching pela Worth Ethic Corporation, MBA em Coaching e Pós graduação em Neurociências pelo IPUB – UFRJ, Formação em Biodança, Sociopsicomotricidade, Teoria Cognitivo-Comportamental e Constelação Familiar. Atuando há 38 anos nas áreas de Educação, Clínica Psicológica, Recursos Humanos e Coaching, formou mais de 3.000 coaches no Brasil e desenvolveu mais de 10.000 líderes. Sólida experiência como Coach de executivos e Mentora de coaches. Mais de 12.000 horas na criação e aplicação de workshops, palestras, cursos de desenvolvimento de líderes, programas motivacionais e transformacionais. Co-autora dos livros “A Bíblia do Coaching” e “O Máximo do Mínimo”. Autora e Coordenadora técnica do livro “Empoderar para Transformar”. Criadora do Método KidCoaching® para crianças e Co-criadora do Método GrowCoaching® para adolescentes.